O suor: por que é tão necessário suar e que tipos de suor existem

Todos nós sabemos o que é o suor, a maior parte do tempo, porque nos dedicamos a proteger, no entanto você sabia que a transpiração faz parte de um processo natural, mais saudável que, entre outras coisas, permite manter uma boa temperatura no interior do organismo?

Geralmente nos incomoda já que deixa um rastro muito reconhecível que interpretamos como pouco estético e porque pode evidenciar um estado de espírito tenso ou, de alguma forma, árduo.

Conhecer um pouco mais perto de sua natureza e função, pode ajudar a reconciliar-nos com ele.

Conteúdo do post

O que é o suor?

O suor é um líquido aquoso que o corpo libera através dos poros da pele em determinadas circunstâncias.

É composto basicamente de água, mas também contém outros elementos, como a proteína ou gordura.

É um fenômeno inconsciente, poderíamos chamá-lo autônomo, regido por nosso sistema nervoso. Nós não podemos decidir acontecer, ou deixar de fazê-lo.

É produzido pelas glândulas sudoríparas que são “micro-tubos” localizados por toda a nossa pele, com saída para o exterior através de poros.

Estas glândulas são um pouco mais complexas do que parece, já que em alguns casos respondem apenas a determinados estímulos (stress, nervosismo, medo…) e localizam-se em locais muito pontuais do corpo (axilas, as palmas da mão etc.) e em outros fazem parte do processo de regulação térmica do organismo.

O suor habitual dos dias de calor não é mais do que a resposta do organismo para a elevação da temperatura interna. Pela evacuação de líquidos é possível que esta desça e o corpo se mantenha mais fresco.

Há um exemplo muito conhecido com o que é fácil compreendê-lo: o “mecanismo do vasilha de barro”.

A água que contém, em uma vasilha de barro se mantém fresca, porque as propriedades da cerâmica permitem que a água que atinge elevadas temperaturas evapora através de seus poros, ficando no interior apenas água fresca.

Tipos de suor

De acordo com o tipo de glândula sudorípara que o produz, o suor tem duas origens:

  • O suor produzido pelas glândulas apócrinas
  • O suor produzido pelas glândulas ecrinas
  • 1. As glândulas apócrinas.

    Temos localizadas em pontos concretos de nossa fisionomia, como nas axilas e no púbis etc.

    Geram um suor que responde a determinados estímulos, como são a tensão nervosa, o exercício físico, a dor ou a excitação sexual.

    Essas glândulas começam a se desenvolver com a chegada da puberdade e são responsáveis por um tipo de suor que pode ir associados ao mau cheiro, já que, juntamente com água, eliminam a gordura.

    Trata-Se também de uma das glândulas que têm como função a produção de feromônios (hormônios olfativas, não exclusivas do ser humano, que buscam a atração do sexo oposto).

    2. As glândulas ecrinas

    Encontramos espalhadas por toda a superfície da pele de forma maciça (mais de 600 células por centímetro quadrado).

    Compõem-Se de 99% de água.

    Têm duas funções importantes para o organismo:

    • Regulam a temperatura interna (termorregulação) eliminando através da água, o excesso de temperatura.
    • Fornecem – se com o que proporcionam flexibilidade e retardam o envelhecimento.

    Através das glândulas ecrinas são excluídos watts litros de água diariamente, com o que é importante reponerla.

    A transpiração natural ajuda, também, a eliminar as toxinas e é uma parte importante dos tratamentos de beleza.

    Pode, porventura, a sudorese ser também um problema?. A hiperidrose

    Quando o corpo suar em excesso ocorre um fenômeno chamado de hiperidrose.

    Trata-Se de uma transpiração intensa que, dependendo do grau, pode resultar em algo desconfortável para profundamente desagradável.

    A hiperidrose pode ser a manifestação de outras doenças, a partir de depressão e ansiedade em hipertireoidismo.

    É muito comum durante a menopausa, em especial durante a noite, devido ao aumento da que provocam os sufocos.

    Seu tratamento baseia-se em dois tipos de técnicas:

  • Técnicas de “bloqueio”. Apesar de existirem diversas modalidades (micro-ondas, cremes antitranspirantes, botox…) todas elas têm como objetivo o fechamento dos poros para evitar o acesso ao exterior do suor.
  • Tratamentos medicinais. Estes atuam sobre as substâncias que produzem o suor tornou-se como a acetilcolina
  • O suor e o mau cheiro

    A transpiração em si mesma não gera mau cheiro. O “cheiro a suor” o produzem as bactérias ao decompor-se em contato com o líquido. Só a higiene, tanto de corpo como de roupas, você pode evitar este problema.

    A concepção do suor em países asiáticos

    Há um caso que do nosso ponto de vista ocidental pode parecer curioso.

    Enquanto no nosso caso, desenvolvemos esforços e dinheiro na tentativa de ocultar a transpiração, considerando especialmente desconfortável em áreas visíveis da roupa, como as axilas, com o medo acrescentado que alguém pode pensar que se trata de um problema de falta de higiene ou de uma fonte de mau cheiro, em outros países ocorre o contrário.

    Esse é o caso da China, onde a ventilação é considerada uma forma de eliminar toxinas, um processo que melhora a memória e a saúde da pele, nunca um problema.

    Há uma característica física adicional, os chineses não têm os problemas de odor corporal decorrentes do suor do que temos no ocidente, já que possuem um gene que evita o odor proveniente da zona das axilas.

    Os estudos de mercado que realizaram empresas como Rexona para tentar vender seus produtos nesse país asiático revelaram que apenas 10% da população usa desodorante, por quê? porque não precisam.

    REFERÊNCIAS EXTERNAS

    Neste link você vai encontrar uma , especialmente indicada para falar com as crianças.

    Sobre os achei a informação interessante esse artigo O Mundo.

    Sobre a e o seu não-uso de desodorante, recomendo este interessante artigo do New York Times (em inglês).

    Um post .

    Votação dos leitores [Total:0 Média:0/5]

    Leave a Comment

    O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *